Coringa (menino - 10 anos)

Era uma noite muito chuvosa em Paris. A Mme. Caram D´Ache e o seu marido Dr. Caram D´Ache estavam vendo jornal pela TV ao lado da lareira, quando deram a notícia que um diamante de 30 centímetros que lhes pertencia, havia sido roubado de uma adega onde estava guardado. Esta adega ficava na Inglaterra. O casal foi imediatamente para o Aeroporto e tomou um avião para Londres. Quando eles chegaram na Adega, o diamante havia desaparecido e no lugar dele havia uma faca enfiada na parede, encravando um papel que dizia: "o diamante nunca mais será seu, Dr. Caram D´Ache !". A Mme. Caram D´Ache teve uma brilhante idéia:

- Vamos chamar um detetive da Scotland Yard, com um ajudante particular!

Eles tomaram um trem para Glasgow e lá descobriram que a casa do detetive mais famoso da Scotland Yard, que era um tal de Thomas Muster, ficava na Rua Rhum de La Fayette, o qual morava com seu ajudante Kim Harold e com um office boy metido a detetive Hercule Poirot, chamado Tracy Farmicol.

T. Farmicol achava-se melhor que seu patrão. Tom Muster era um homem inglês, de estatura alta com 1,91 m de altura. Devia pesar em torno de 73 kls... Seu traje era composto por um sobretudo xadrez e um chapéu francês (boina) branco, usava calça clara e sapatos escuros, que faziam um belo contraste.

Dr. e Mme. Caram D´Ache chegaram a casa do detetive inglês. O office boy ouviu o soar da campanhia e foi correndo atender porque quase nunca havia clientes e quando havia, a maioria apavorava-se com o preço e desistia. Tracy Farmicol abriu a porta e deu de cara com Dr. Caram D´Ache que muito impaciente, ao contrário do detetive inglês, que era calmo e frio até demais, veio logo falando com voz grossa e alta:

- Onde está um tal de detetive T. Muster?
- Na sala à direita, lendo um dos seus livros de Agatha Christie.
- Merci.

Dr. Caram D´Ache correu até lá e foi logo dizendo para o dono da casa o caso inteirinho. Depois de tudo conversado o detetive inglês começou a esnobar, dizendo que não sabia se iria aceitar a proposta, porém logo depois Trazy Famicoal lhe deu um cutucão e disse com voz grossa e humilde:

- Aceite sim, chefe nunca temos ofertas de trabalho...

O detetive inglês aceitou com uma condição: teria que receber £50.000 sozinho e £100.000 com ajudante e daí o office boy também iria junto. Dr. Caram D´Ache retrucou, dizendo assim:

- Ora pois é claro, os três vêm comigo. Eu lhe pagarei £50.000 agora e £50.000 quando acabar o serviço.

Então os cinco saíram dali e foram em busca de pistas. Dr. Caram D´Ache lhes mostrou o papel que estava junto com a faca. Thomas Muster sabia que poderiam ter sido várias pessoas, mas as principais suspeitas eram: Dr. Cloroformium e Sir General Alcazar. Cloroformium era um ladrão comum de jóias e coisas raras. Alcazar era um experiente traficante de jóias e drogas. A adega dos Caram D´Ache ficava ao lado de um teatro muito pouco famoso e agora quem estava dando espetáculos era um mágico da República Dominicana chamado Magic Musser. O detetive inglês, aconselhou que o casa Caram D´Ache ficasse num hotel, pois poderiam estar em perigo. Ele partiu em direção a adega, entrou lá, procurou pistas ou pegadas, ou então algo que se assemelhasse a isso. Ele encontrou apenas uma coisa simples: era uma borracha, uma borracha normal, comum. Ela era de marca alemã Coringa, que o detetive inglês não conhecia. Ele ficou muito intrigado com isto. Então foi procurar saber mais sobre essa fábrica. Ele acabou descobrindo que o dono da fábrica era um homem chamado Sir Edward Alcazar que era tio do Alcazar. Mais tarde T. Muster foi para Colônia, matriz da fábrica conversar com o dono e lá encontrou o tio e o próprio Alcazar que estava há seis meses lá, sem sair da Alemanha. Então riscou Alcazar da lista de pessoas suspeitas. Porém ele queria saber para quem eles vendiam borrachas. O tio de Alcazar disse que só usara aquelas borrachas para caixas mágicas de crianças.

No dia seguinte, Thomas Muster partiu para para a Inglaterra. Lá ele foi para as lojas de brinquedos indicadas, perguntar quem comprava as caixas com borracha Coringa. Todas as lojas disseram que somente crianças compravam estas caixas, até que uma loja disse que um adulto tinha comprado uma caixa de mágicas e que por acaso ela sabia o nome. Era um tal de Magic Musser. Thomas Muster, raciocinou e foi imediatamente comprar ingressos para o espetáculo. A primeira mágica era com um monte de borrachas Coringa. Quando acabara o espetáculo, T. Muster foi ao camarim de Magic Musser e disse assim:

- Você está preso!

O Magic Musser não conseguiu fingir e acabou admitindo:

- Eu tive que roubar o diamante. Eu preciso de dinheiro para dar comida aos meus filhos!

Então ele foi preso e revelou que o diamante estava na adega mesmo, e que se encontrava em uma passagem secreta que ficava atrás da prateleira "C" dos vinhos portugueses. Era só apertar o "V" de vinho do Porto e a parede se abria e o grande diamante apareceria. O detetive inglês prendeu Magic Musser, foi até a adega, apertou o "V", esperou a porta abrir, pegou o diamante, foi até o hotel e entregou-o para o Dr. Caram D´Ache, que deu-lhe os outros £50.000 e depois perguntou-lhe se Kim Harold e Tracy Farmicol tinham ajudado. Ele respondeu que não. Depois voltou para Glasgow e acabou seu livro Agatha Christie.

 

voltar | home